sábado, outubro 25, 2014

Quão difícil pode ser?

Quando alguém quer chamar o elevador e prime ambos os botões.


É preciso tirar um curso?!?!? Prime-se a seta para cima se quisermos subir e prime-se a seta para baixo se quisermos descer. DUH!

sábado, outubro 18, 2014

Ditados populares com gatos

A whiskas dadas não se olha o prazo.


A miar é que a gente se entende.



A necessidade aguça as unhas.



A sardinha mal guardada, faz o gato ladrão.



A felpudez faz a força.



Águas passadas não dão banho ao gato.


Com patas felpudas não se apanham moscas.



Deitar cedo e cedo erguer dá sono e faz-me dormir.


Quem mia, seu mal espanta.


Quem tem medo, compra um cão. Quem não tem, arranja um gato.


terça-feira, outubro 14, 2014

Há assuntos que não deviam ser assunto mas...

Por norma, não me debruçaria sobre uma polémica oca em torno do corpo duma actriz. Por norma, estou-me nas tintas para a gordura a mais ou a menos ou nos sítios errados ou o que quer que tenha a ver com isso. É um não assunto.
A única coisa que importa é que as pessoas sejam saudáveis. Se têm estrias, celulite, barriga de cerveja ou demasiados ossos à vista, é completamente irrelevante. Nunca vi ninguém chegar ao hospital com uma crise aguda de estrias.
E, no limite da minha futilidade, acho que cada um deve vestir o que lhe fica bem.
Mas a polémica em torno das fotos do desfile da Jessica Athayde não são sobre o corpo da rapariga. São sobre fêmeas. Neste momento, esta polémica já deu pano para mangas para um estudo sociológico.
Para começar, aqui fica a foto da polémica:



E como não quero que vos falte nada, tomem lá a verborreia toda sobre a foto: https://www.facebook.com/VoguePortugal/photos/a.149062145113000.23409.137585456260669/864352590250615/?type=1&theater
É tudo público para podermos ver a quantidade de dejectos que estas fêmeas têm naquelas ervilhas.
É que até quem pretende defender a actriz, acaba por demonstrar que está tão formatada como todas as outras que lhe chamaram gorda. Quando alguém diz que a Jessica Athayde não vai gostar desta foto está a assumir que os critérios de beleza da actriz são iguais aos seus e que estão toldados pela mesma lavagem cerebral.
Quando alguém culpa o fotógrafo do ângulo em que a foto foi tirada por alegadamente a desfavorecer, está a demonstrar que também acha que esta foto não é um exemplo dos critérios rígidos de beleza que defende. Dizer que a Jessica Athayde não é gorda como parece ser na foto, não é defendê-la. É assumir que não considera que esta foto mostre uma mulher atraente. É mostrar que pensa que esta figura não cumpre os níveis de exigência impostos para que uma mulher possa andar na passerelle.
Mas onde é que esta foto está horrível? Onde é que este corpo não é perfeito, saudável, tonificado e cheio de curvas femininas?
A luz está impecável, tem a profundidade de campo certa, está bem enquadrada, não tem grão... Quem fotografa a Moda Lisboa sabe o que faz. São os melhores fotógrafos, não é o vosso vizinho que comprou uma reflex de 1000 EUR e acha que a máquina tira fotografias fantásticas sozinha.
Quem é que impõe estes critérios de beleza em que as mulheres não podem ter curvas e têm de mostrar os ossos a furar a pele? Eu garanto que não são os homens porque eles estavam lá a comentar a foto e não era a desdenhar.
E porque é que são as próprias mulheres que são tão rígidas e defendem tão afincadamente critérios de beleza que não correspondem nem às preferências do sexo masculino nem a um corpo saudável? Quais são as motivações destas mulheres para exigirem às pares que tenham um peso abaixo do saudável e mantenham o mesmo corpo que tinham antes da puberdade? Esta ditadura do corpo escanzelado fomenta distúrbios alimentares. O que é que é melhor? Ter duas covas de celulite na nádega direita ou ficar internada no hospital e passar a adolescência no psiquiatra?
Sinceramente,o que eu acho é que a obsessão competitiva das fêmeas está tão entranhada que tudo serve para arranjar defeitos nas rivais. E por rivais, entendam-se TODAS as outras fêmeas. E esta estratégia já provou ser tão má como o memorando da Troika.
Começo mesmo a achar que, umas das principais razões pela qual as mulheres não chegam tão longe como os homens a nível profissional, são as outras mulheres que lhes cortam as pernas antes de terem oportunidade de chegar a algum lado. E pelas razões mais disparatadas: ou porque é magra, ou porque tem estilo, ou porque o marido não tem dinheiro, ou porque os pais têm dinheiro, ou porque tem um casamento feliz, ou porque os filhos são feios, ou porque é mais nova, ou porque é mais alta, ou porque não tem vida social, ou porque vive em Cascais, ou porque consegue engatar qualquer homem que queira, ou porque não teve um parto natural...
E enquanto a maioria das fêmeas pensar assim, os homens vão continuar a ocupar lugares de destaque. Não porque sejam melhores do que uma mulher, mas porque as outras mulheres já minaram todas as hipóteses doutra fêmea lá chegar. E o pior é que enquanto este machismo feminino persistir, é mau para as machistas e é mau para as feministas. Só não é mau para os homens. Mas o que é que isso interessa? As mulheres não querem marcar a diferença no mundo, de qualquer maneira.... a não ser no mundo daquela puta da Maria que costuma ir à fármacia lá ao pé de casa com aquele ar de quem é mais que os outros. A cabra! Mas o filho dela é um mal-educado e o marido deve andar com outras. Ordinária! Com aquela idade e anda de calções...

sábado, outubro 11, 2014

Se nunca passaste por isto... Parabéns, és tu a lesma!

Quando vai uma lesma à nossa frente, não a conseguimos ultrapassar e depois passa no amarelo e nós ficamos parados no vermelho:



sábado, outubro 04, 2014

A justiça da comédia

Os actores profissionais (aqueles que chegam mesmo a estudar artes dramáticas ou teatro) queixam-se que os papéis na televisão são dados a modelos.
Vejamos, por exemplo, a grande escola de actores que foi a série "Morangos com açúcar". Os palminhos de cara com corpinhos tonificados tornaram-se protagonistas de novela da noite e até fizeram teatro.
Na prática, quem quer ser actor tem mais probabilidade de sucesso se começar numa agência de modelos do que numa escola de teatro.
Se for filho ou aparentado doutro actor não precisa de tentar a sorte numa agência de modelos que a família também pode ser uma boa porta de entrada.
Mas no que toca à comédia não há carinha laroca nem família de artistas que valha. E aqui está a justiça da comédia. Ou se tem piada ou não se tem. Não interessa que tenha um corpo escultural se abrir a boca e ninguém esboçar um sorriso. Também não interessa ser filho dum grande actor ou actriz se não tiver piadinha nenhuma.
Na comédia vence quem tem mérito e ter mérito é ter a capacidade de nos por a rir. Vão lá ao canal Q ver quem tem perfil de modelo.
Ok... no que toca a familiares, está lá a irmã do Nuno Markl... mas porque tem tanta piada como ele e é uma das estrelas do canal.
Portugal devia ser como o pequeno mundo da comédia em todas as áreas. Só há lugar para os melhores independentemente do aspecto e da família. E quando os melhores deixam de o ser... substituem-se.... O grande Herman José, que foi tão grande que continuamos a usar frases dos seus sketches mais de 10 anos depois, perdeu muita da piada que tinha e, consequentemente perdeu os programas em horário nobre. Outros o substituíram que, quando perderem a piada, serão também substituídos.